Logo ISECENSA/Página Inicial
A profissão

A profissão

De acordo com a Resolução no 046/2002/CONFEF, que dispõe sobre a intervenção do profissional Bacharel em Educação Física e define suas competências e campos de atuação profissional, a intervenção é plena nos serviços a sociedade no âmbito das atividades físicas, incluindo a pratica de exercícios físicos e esportes, nas suas diversas manifestações e diferentes objetivos.

O profissional de Educação Física pode atuar como autônomo e em instituições e órgãos públicos e privados de prestação de serviços que envolvam a atividade física ou o exercício físico, incluindo aquelas responsáveis pela atenção básica a saúde, onde poderá atuar nos três níveis de intervenção (primaria, secundaria e terciária).

Entende-se por intervenção primaria qualquer ato destinado a diminuir a incidência de uma doença numa população, reduzindo o risco de surgimento de casos novos. A intervenção secundaria busca diminuir a prevalência de uma doença numa população reduzindo sua evolução e duração, exigindo diagnostico precoce e tratamento imediato. A intervenção terciária visa diminuir a prevalência das incapacidades crônicas numa população, reduzindo ao mínimo as deficiências funcionais consecutivas à doença já existente, permitindo uma rápida e melhor reintegração do individuo na sociedade, com aproveitamento das capacidades remanescentes.

Atribui-se ao profissional de Educação Física as competências e habilidades para diagnosticar, planejar, organizar, supervisionar, coordenar, executar, dirigir, assessorar, dinamizar, programar, desenvolver, prescrever, orientar, avaliar, aplicar métodos e técnicas motoras diversas, aperfeiçoar, orientar e ministrar sessões específicas de exercícios físicos ou praticas corporais diversas (CONFEF 2002).

O profissional de Educação Física pode intervir no Programa Saúde da Família (PSF) tanto para orientar sobre a importância de hábitos de vida ativa, quanto para promover e estimular a adoção de um estilo de vida ativo, contribuindo para minimizar os riscos de doenças crônicas não transmissíveis e os agravos delas decorrentes.