Notícias do Curso
 
PROJETO MELHOR-MULHER DA COMUNIDADE TAMARINDO EM EVIDÊNCIA NO CURSO DE PSICOLOGIA: Relações Lúdicas e Sessões de Fotos

Já na segunda etapa do Projeto Melhor-Mulher, os alunos do 3º período do curso de Psicologia do Isecensa trabalham com 16 moradoras da Comunidade Tamarindo promovendo atividades com o objetivo de melhorar da auto estima das participantes.

Primeiro Dia (7/6):
Foram realizadas duas atividades, envolvendo o curso de Psicologia e o curso de Educação Física: uma “roda de conversa”, onde os alunos da Psicologia partilharam sonhos, dificuldades, esperança e frustrações, sendo coordenados pelo Prof. Edson Andrade, com músicas e dinâmicas de grupo. A segunda atividade, bastante lúdica, foi orientada pelo Prof. Nilo Terra, que desenvolveu uma aula de relaxamento e alongamento.
 
Segundo Dia (11/6):
Numa experiência bastante signficativa, foi realizada uma sessão de fotos de cada moradora participante do projeto. Patrocinadas pelo Projeto, cada participantes foi levada a um salão de beleza e, em seguidas, trazidas ao ISECENSA onde realizaram uma “Sessão de Fotografia”, no Café Literário.

- Foi uma experiência única e imensamente gratificante. Esse encontro foi uma das aulas-práticas mais significativas do nosso curso - afirma Prof, Paulo Buchvitz, coordenador do curso de Psicologia do Isecensa.

 

 

 

 

 

 


Semana Formativa: alunos do CURSO DE PSICOLOGIA em atividade na Universidade Federal da Bahia

Entre os dias 17 e 22 de maio 2014, os alunos do Curso de Psicologia do ISECENSA estiveram em Salvador se qualificando para o atendimento a população usuária de drogas em situação de rua.
Os alunos inseridos no Projeto do ISECENSA, intitulado Clínica Nômade Voz da Rua, participaram de palestras e troca de experiências no Centro de Estudos e Terapias de Uso de Drogas da Universidade Federal da Bahia - CETAD, principal unidade do País no atendimento ao usuário de drogas no contexto de rua. Dr. Antônio Nery Filho, idealizador do consultório de rua no Brasil, esteve com o grupo durante todo o dia, partilhando sua imensa expertise no campo. A ação foi coordenada pela professora Dra. Patrícia Constantino e assessorada pelo professor Hans Muylaert. 
O grupo do Isecensa apresentou o projeto Voz da Rua  para os profissionais precursores na metodologia de trabalho que se transformou em Política Pública Nacional.
Além da formação no CETAD, a equipe contou com uma agenda repleta de ações em instituições de notória competência em trabalhos com população nas ruas, como o Movimento Nacional de População de Rua e o Projeto Axé.
Foram cinco dias de aula a céu aberto! A frase do Dr Nery  reforça os preceitos do projeto Clínica Nômade Voz da Rua e resume o que sentimos nessa formação

Depoimentos dos alunos:
“As drogas, mesmo o crack, são produtos químicos sem alma: não falam, não pensam e não simbolizam. Isto é coisa de humanos. Drogas, isto não me interessa. Meu interesse é pelos humanos e suas vicissitudes."  (Antonio Nery Filho)

A frase reeditada pelo professor Nery, ilustra o sentimento que a ida à Salvador me proporcionou enquanto estagiária da Clínica Nômade Voz da Rua. As trocas com profissionais e projetos que trabalham por anos com o mesmo público alvo, demonstram nossa vontade de amadurecer, ampliar olhares e de potencializar o que tanto buscamos, a garantia dos direitos de pessoas que a sociedade finge não ver. Voltamos motivados por histórias de lutas e glórias e ainda mais conscientes da importância da nossa atuação. Foi maravilhoso!
(Tamillys Lirio, 9 periodo, Psicologia)

“A ida a Salvador foi muito enriquecedora em todos os âmbitos. Como estagiaria do Voz da rua, presenciar tudo o que almejamos para o nossos projeto me fez ver que muita coisa é possivel! Deu um novo gás, uma vontade maior de dar continuidade e crescimento ao nosso projeto. Foi um grande aprendizado e muita vivência!" (Mariana Martins, 9 periodo, psicologia)

“Impossível mensurar a tamanha contribuição que a ida a Salvador proporcionou a nossa formação e a nossa prática como estagiários da Clínica Nômade Voz da Rua. Vimos resultados surpreendentes e conhecemos ferramentas para alcançarmos semelhantes resultados. Identificamos dificuldades comuns e discutimos medidas para ultrapassá-las. Trocamos bastante, recebemos bastante. Aprofundamos teorias e experimentamos uma prática única. Criamos parcerias, linhas de comunicação. Experienciamos um futuro que pretendemos alcançar e, por que não, ultrapassar.”
(Rodolfo Brandão, 9 periodo, Psiocologia)


Equipe Voz da Rua no CETAD com o Dr. Antonio Nery.


Equipe do Voz da Rua no Movimento Nacional de População em Situação de Rua - Pelourinho.


Movimento Nacional População de Rua.


 


PSICOLOGIA PROMOVE LANÇAMENTO DE LIVRO
 
O curso de Psicologia do Isecensa promoveu o lançamento do livro "A clínica como exercício ético dos encontros afetivos", na noite de 26 de maio. Com a presença do Prof. Dr. Jadir Lessa, autor da obra, alunos e comunidade em geral tiveram a oportunidade única de conhecer e ouvir o renomado profissional que tanto se destaca na área de psicologia.
 


Projeto Realise: Orientação Vocacional de Psicologia do Isecensa
 
A adolescência e a juventude são duas fases de importantes mudanças e decisões. Uma delas é a escolha profissional. Optar entre as mais variadas possibilidades não consiste numa tarefa simples quando levamos em conta que a profissão também será responsável pela realização pessoal e desempenho social do jovem.
Ciente disso, o curso de Psicologia do Isecensa desenvolve o projeto RealISE. Destinado aos alunos do último ano do Ensino Médio, o projeto tem como objetivo facilitar o processo de escolha profissional, oportunizando autoconhecimento, informação e reflexão. Sob a coordenação do Professor Pós-doutor Paulo Arthur Buchvitz e Professora Mestre Érica Henriques Ribeiro de Andrade, os acadêmicos do 4º período já atenderam aos alunos do Liceu de Humanidades de Campos promovendo enriquecedores encontros semanais onde respondem questionários de anamnese, participam de oficinas e palestras com o intuito de conhecerem  melhor suas aptidões e anseios. Ao final de todo esse processo, são elaborados relatórios individuais onde com o parecer da equipe.
- Como o próprio novo diz, o projeto visa o autoconhecimento dos jovens para que essa tomada de decisão seja facilitada e mais acertiva, resultando em maiores chances de realização pessoal. – afirma Prof. Paulo Arthur.

 

 

  



A VOZ DA RUA: 1 ANO DE AÇÕES DO PROJETO CLÍNICA NÔMADE
 
O Curso de Psicologia do Isecensa comemorou o primeiro aniversário do seu Projeto Voz da Rua, no dia 3 de abril. Estiveram presentes no evento aproximadamente 30 pessoas em situação de rua, equipe do projeto, alunos do Curso de Psicologia, coordenação do curso e direção do ISECENSA.
A festa contou com distribuição de pipoca, refrigerante, bolo e apresentação de artistas de rua. A noite foi de muita conversa e estreitamento de laços onde todos, equipe e população de rua, se divertiram muito. Com certeza esse evento foi um marco para o vínculo estabelecido entre o grupo e na fala de um de nossos assistidos: “Uma noite de alegria, para esquecer o sofrimento.”
O Curso de Psicologia do ISECENSA iniciou em 2013 atividades de  prevenção/promoção à Saúde para pessoas em situação de rua e usuárias de drogas -  Clínica Nômade Voz da Rua. A ação se aproxima da proposta de consultório de Rua do Ministério da Saúde, que se destina ao atendimento de crianças e adolescentes usuários de crack e se insere na proposta de clínica ampliada.  A comemoração do aniversário junto a população atendida traduz o respeito da equipe ao público do projeto e reforça o estabelecimento do vínculo.
 
(Texto de Gabriela Albernaz, aluna do 7 período de Psicologia,  após a participação no evento):
“Era um homem inteligente. E inteligência não tem nada a ver com estudo, diploma, não tem nada a ver com nada do que a maioria das pessoas pensa, não é senso comum, e não é comum. Era inteligente pela articulação, na fala defensiva, na abertura consentida. Mas a dificuldade visível é a de usar essa inteligência a favor de si mesmo. Ela age na sobrevivência, mas se perde na carência. Talvez de ação, ou talvez de algo que só com o tempo descobrirá. É inteligente quando fala de relação, de respeito, e, mais uma vez, o vazio sobre uma atitude. Mas não cabe a mim julgar o comportamento ou adivinhar se já foi ladrão. Se ele roubou algo, foi a minha atenção. E conversamos sobre o limite, sobre invasão, e esse seria nosso único momento de pensar em divisão. O limite do meu eu terminando no dele, e o dele no meu.
Ele diz que emoção quem faz a gente sentir é o cérebro, que não tem essa de coração, foi tudo uma grande invenção. Eu pergunto a ele se quando vem um afeto, por onde começa sentir, se o calor não se dá no coração. Ele me olha curioso, diz que sobe pelo corpo, "é em tudo", chega a conclusão. Na sequência, falamos em religião. Assunto que não deve ser discutido, em comum acordo, respeitamos todas as formas de expressão da fé em favor da ultima conclusão: se acalora o coração faz bem, bom é ter com Deus uma boa relação. Inteligência é tratar o outro com respeito, quando você invade o limite de alguém quem é que sofre? A lei dos homens castiga até quem não adere a lei divina da culpa. Você pode até tirar o que é do outro, mas quem perde é sempre você. Perde, nem que seja a dignidade. E dignidade é feito a inteligência, não anda sobrando. E não é uma questão de classificação, mas é cultural e sócio-construída. E a rua é o palco da vida, cada um dá seu show como forma de encontrar uma saída. Ele acha que "manguiar" é sua arte e não gosta dos que usam arte como "mangueio". Os malabaristas, por sua vez, chamam ele de "favozêro", e os limites das ruas se entrecruzam, se entrecortam, se xingam, se deformam, se desformam.
Eu falo do que faço, ele diz andar não fazendo nada. Mas eu digo que o que me importa é fazer o que eu gosto, e pergunto do que ele gosta. Ele acha a pergunta difícil, sorri sem graça. Mas para aquele que nem tinha um nome pra me dar, havia a necessidade de tirar um documento. Vai que amanhã Deus não o queira mais aqui, e era o invisível ganhando linhas e formas e carne e um nome. "Eu me chamo V.", que não entendia para o que servia a psicologia, mas ficou feliz com menos um baseado no dia e disse que semana que vem eu tenho que estar ali.”



  
 



 
 
Fotos: Ricardo Avelino.



HISTÓRIA VIVA:  VISITA TÉCNICA AO MUSEU DO CÁRCERE  - ILHA GRANDE

Visita ao Museu do Cárcere- Ilha Grande-RJ

Sob a supervisão do coordenador Paulo Arthur Buchvitz e da Prof. Patrícia Constantino, trinta acadêmicos de Psicologia e do curso de extensão em Psicologia Jurídica  realizaram uma visita técnica ao Museu do Cárcere, em Ilha Grande, entre os dias 11 e 14 de abril.
 O Museu do Cárcere foi inaugurado dia 05 de junho de 2009, conta com uma ampla exposição de fotos, documentos, objetos e equipamentos do antigo Instituto Penal Cândido Mendes (IPCM). O museu representa a recuperação da uma história de 100 anos, não só do presídio, mas da história política brasileira. Para os alunos é uma possibilidade de conhecer de perto um cenário historicamente importante para o campo da Psicologia Jurídica.
Após a visitação ao Museu fomos brindados com a presença do Senhor Júlio – 86 anos e ainda em cumprimento de pena – e com a do ex diretor da Unidade prisional. Esses importantes personagens generosamente, em uma roda de conversa, nos revelaram a história viva das unidades prisionais do Estado do Rio de Janeiro. Motivação para os crimes, formas de sobrevivência, formação do Comando Vermelho, violências e fugas foram os  assuntos da tarde.  Um momento para não esquecer!


  

 





 

Comemorando o seu primeiro aniversário, o Projeto Clínica Nômade promove o “Cinema no Muro”, no próximo dia 3. A exibição do filme será para os moradores de rua e na ocasião serão distribuídos bolo, pipoca e refrigerante.
O Projeto, criado pelo Curso de Psicologia do Isecensa, iniciou atividades direcionadas aos usuários de drogas, moradores de rua. Sua ação se aproxima da proposta de consultório de Rua do Ministério da Saúde, que se destina ao atendimento de crianças e adolescentes usuários de crack. Atualmente o Brasil conta com trinta e cinco clínicas, apenas três delas localizados no Estado do Rio de Janeiro. O projeto de um "consultório piloto” em Campos dos Goytacazes  é  o primeiro executado por uma instituição acadêmica privada.
Dados do mapeamento nacional de crianças abrigadas (FIOCRUZ, 2012) apontam o Município de Campos dos Goytacazes como um  dos municípios com maior número de crianças e adolescentes institucionalizadas pelo uso de crack. A Clínica Voz da Rua visa desenvolver ações em educação de saúde para crianças e adolescentes em situação de rua, especialmente usuários de crack.
O maior objetivo da ação é promover a escuta dos sujeitos que, aos olhos da sociedade, não tem voz e nem vez no que se refere ao acesso à saúde. As ações terão como foco visitas e conversas informais. Todas as ações têm como objetivo fim a saúde física e mental, e quiçá a possibilidade de uma intervenção concreta relativa ao consumo de crack, e a possível mudança de comportamento levando a interrupção do uso. A professora doutora Patrícia Constantino supervisiona os alunos em suas ações e práticas na disciplina Psicologia da Saúde Coletiva.

 

RELATO DE CASO

Conhecemos D, 25 anos,  muito magro e usuário de todas as drogas- incluindo crack- na Pracinha do Liceu no dia 10/05/13. Durante a conversa de nosso grupo e mais dois outros homens também moradores de rua, D contou um pouco de sua história - dizendo que mora na rua desde os nove anos! Estava muito entristecido pela proximidade do Dias das Mães, pois a mesma morreu há quatro anos e diz que ninguém da família informou da morte e nem de onde o corpo está sepultado (chorou nessa hora). Falou que precisava de uma internação e tossia muito! O colega informou em voz baixa que ele estava tuberculoso. Ele confirmou. Mais uma vez pediu para ser internado!
Marquei de levá-lo ao médico na quarta-feira seguinte. Ele se mostrou receptivo e disse que me aguardaria no dia marcado.
Antes da data, na segunda-feira, Eduardo o encontrou  no mesmo lugar e D falou que me aguardaria - reforçando o desejo de internação.
Na quarta-feira fui até a Pracinha do Liceu à tarde e não o encontrei. O  seu colega disse que D estava ali próximo e que estava me aguardando. Deixei recado de que no dia seguinte (quinta-feira) às 9 horas estaria lá para levá-lo ao hospital. No dia 16/05 (quinta-feira) às 9 horas cheguei ao local marcado e D estava deitado no banco usando a mochila como travesseiro. Ao me ver ele levantou rapidamente e  disse que estava pronto para seguirmos. Estava muito debilitado e com dificuldade de se locomover.
Começou então o nosso itinerário em busca de atendimento: a primeira dificuldade foi a de transporte - convencer o taxista a nos levar - D estava sujo  e tossindo muito. Depois de 2 tentativas conseguimos chegar ao Hospital Ferreira Machado.  Lá, depois de muito esperar, foi nos avisado que aquele atendimento não mais é feito na unidade e que deveríamos procurar o HGG. Mais uma luta para conseguir transporte até lá! Quando estávamos nos aproximando D falou do Centro de Tratamento de Tuberculose que fica atrás do HGG e que ele já  havia feito tratamento lá. Fomos então até o Centro.Chegando lá, já na recepção, a Assistente Social lembrou do D e o atendimento passou a ser um "retorno ao tratamento". D fez teste de escarro, (RX), reativamos o prontuário e aguardamos por cerca de 3 horas o atendimento médico. No consultório D falou do desejo de internação. Depois da avaliação clínica e pelo fato de ser morador de rua e dependente químico, decidimos pela internação.  Agilizamos toda a documentação, mas recebemos um balde de água fria com a notícia que não tinha vaga no Ferreira Machado. Retruquei dizendo que era uma temeridade eu ter que "devolver" D para a rua depois de já termos constatado a necessidade de internação. Prometeram-me agilizar a vaga e que me ligariam assim que ela saísse.
D ficou visivelmente decepcionado e aproveitei para conversar bastante sobre planos futuros. Ele não sabe ler e escrever e conversei sobre a possibilidade do Edu alfabetizá-lo. Edu e ele gostaram da idéia!
Paguei seu almoço e, infelizmente, deixei-o na Praça do Liceu. Pedi para que não saísse dali para que eu pudesse localizá-lo no momento da internação. D me passou o tel. da Tia e do Pai e pediu para que ligasse para a família fosse internado.
Qual não foi minha surpresa quando no outro dia, antes das 8 da manhã, recebo um telefonema do Centro de Tuberculose dizendo que uma ambulância estava indo buscar o D. Corri pedindo aos céus para que ele lá estivesse. E estava! Rapidamente se preparou, pediu para o colega pegar os originais dos documentos que ficava guardado com um funcionário do cartório e me pediu uma muda de roupa. O amigo chorou quando o viu entrar na ambulância. Eu também...
Liguei para a tia e comuniquei a internação. Ela se mostrou surpresa por D estar na rua e prometeu visitá-lo. Agradeceu o nosso feito.  Soube que no mesmo dia a tia e o pai estiveram com ele no Hospital Ferreira Machado.
À tarde fui ao Hospital Ferreira Machado levar material de higiene e a muda de roupa. Fui até a Tisiologia, mas não pude entrar, pois estava acontecendo um procedimento no quarto.
A noite os alunos Brunela e Eduardo (nossa equipe) estiveram com o D no Ferreira Machado que se mostrou muito animado e pediu a internação para o tratamento de drogas após o tratamento da tuberculose. Estamos tentando fazer uma internação casada - após a alta do Hospital Ferreira Machado ele seguiu para a Clínica de Recuperação. Falou da visita do pai e dos planos futuros.
Muitas histórias teremos  ainda com D., quero deixar registrado o meu contentamento de podermos estar fazendo algo concreto pela sua vida!
Agradeço imensamente a minha equipe que não tem medido esforços para o êxito de nossas ações.

Professora Doutora Patrícia Constantino


PSICOLOGIA PROMOVE AULA MAGNA DESTACANDO O TRABALHO COMUNITÁRIO

A aula magna do curso de Psicologia do Isecensa foi um sucesso de público e de cientificidade. Abordando o tema “Atuação no Contexto Comunitário: perspectivas, possibilidades e desafios”, a Professora Doutora Lurdes Perez Oberg, palestrante da noite, abordou a relevância de se atuar no contexto comunitário, com trabalhos coletivos que visem a emancipação social e o processo de constituição do sujeito singular. 
O objetivo do evento foi destacar trabalhos de atuação comunitária que motivem os alunos de psicologia a se engajarem nos processos de inclusão social, bem como fornecer subsídios teóricos e técnicos para a formação em psicologia social comunitária. Os alunos aprenderam que o psicólogo social evita também a dependência e a assistencialismo, construindo in loco e com os cidadãos, o empoderamento de reversibilidade social e de acessibilidade popular.
Após a palestra foi lançado o livro da palestrante: “Do Rio das Vitrines à Galeria dos Desconhecidos: Um Estudo em Psicologia Social Comunitária na Localidade de Muzema”.












Visita Técnica ao Hotel da Loucura- Hospital Psiquiátrico Nise da Silveira

No dia 10/12/2013 alunos do Curso de Psicologia e da Pós Graduação em Saúde Coletiva do ISECENSA realizaram visita técnica ao Hotel da Loucura.
A proposta surgiu no hospital psiquiátrico Instituto Nise de Silveira quando o terceiro andar da instituição transformou-se no Hotel da Loucura. O espaço estimula a convivência entre os pacientes do hospital com médicos, artistas, pesquisadores e  ainda realiza oficinas, palestras e espetáculos promovendo a reflexão sobre o tema da loucura.
O grupo de alunos e professores do ISECENSA participou efetivamente das ações da instituição e teve a oportunidade de conhecer uma forma de entendimento e atendimento aos pacientes psiquiátricos a partir de um outro paradigma. Uma experiência única e inspiradora de novas práticas!










Fotos: Ricardo Avelino



SUCESSO DA JORNADA CIENTÍFICA DE PSICOLOGIA

Considerada a melhor entre todas até hoje promovidas pelo Isecensa, a Jornada Científica de Psicologia 2013 aconteceu entre os dias 28 e 30 de outubro, sob o tema “Novos desafios da Psicologia: autismo, internação compulsória e mercado de trabalho.”  Além da importância dos temas abordados, a presença de renomados profissionais da área foram os grandes responsáveis pelo sucesso do evento.
 
No primeiro dia, 28, a mesa redonda foi composta pelas psicólogas Evelyn Rebouças de Gouveia e Denise da Silva Gomes, representantes do Conselho Regional de Psicologia- subsede Campos dos Goytacazes, e pela professora do ISECENSA Dra. Patrícia Constantino que abordaram o tema “Os efeitos sociais da internação compulsória”.

O segundo dia contou com a palestra da Dra. Nympha do Amaral, psicóloga, mestre em Psicologia Clínica pela PUC e doutoranda da UERJ, que falou sobre “Os Desafios do atendimento Psicológico ao Autista”. Reconhecida como grande pesquisadora e com vasta experiência clínica sobre o tema, a Profª. Nympha versou sobre a Clínica Psicanalista do Autismo a partir da sua atuação no Capsi, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Como debatedor, contamos com o Prof. Roberto Carvalho Alves Filh, do Isecensa, o que problematizou e trouxe importantes apontamentos para o entendimento do tema.

O terceiro dia destinou-se a discutir “O mercado de trabalho para a Psicolodia no setor público e privado”. Nesta mesa participaram os seguintes profissionais: Melina Leite, que atua em uma empresa da área de petróleo em Macaé, Abílio Rosa, que atua em uma empresa do Porto do Açu, Ana Carolina Cassiano, que atua no setor público, e Simone Fonseca que atua em psicologia clínica. A mesa foi mediada pelo professor Doutor Edson Andrade, coordenador da área de Psicologia Social do ISECENSA.
 
 








 

VISITA TÉCNICA: CURSO DE PSICOLOGIA VISITA O MUSEU DO CÁRCERE

Entre os dias 5 e 7 de outubro de 2013 os alunos do Curso de Psicologia do ISECENSA estiveram em visita técnica no Museu do Cárcere, na Ilha Grande, Angra dos Reis.
O grupo foi composto por 40 alunos da graduação e do Curso de extensão em Psicologia Jurídica.
A visita técnica foi coordenada pela professora Dra. Patrícia Constantino assessorada pelo professor Hans Muylaert.

O Museu do Cárcere está instalado em prédios do antigo Instituto Penal Cândido Mendes e tem como proposta servir como importante fonte de reflexão sobre as políticas carcerárias e seus reflexos na sociedade brasileira. Tem ainda o importante papel de apresentar visões acerca das políticas carcerárias implementadas ao longo do período Republicano, em especial no Rio de Janeiro. 

A visitação ao Museu possibilitou ao grupo participar de uma roda de conversa com o Sr Julio Almeida, 82 anos, memória viva do complexo e que ainda cumpre pena em meio aberto. Seu Júlio nos guiou pelo Museu e por sua  história de vida que se confunde com a  própria trajetória da Unidade Penal.
Um momento único na formação dos alunos que tiveram a oportunidade de vivenciar aquilo que os livros não são capazes de oferecer. Uma aula a céu aberto!









Aula Magna de Psicologia


O curso de Psicologia promoveu sua aula magna recebendo a socióloga, antropóloga e pesquisadora titular da Fundação Oswaldo Cruz, Maria Cecília de Souza Minayo para palestra.
Sob o tema “Os desafios do Sistema Único de Saúde: repensando a formação acadêmica”, a palestrante apresentou os principais desafios atuais percorrendo um processo histórico e ressaltando o perfil dos egressos dos cursos da área de Saúde que vão ao encontro das demandas sociais e de saúde.
Finalizando o evento, que aconteceu em 23 de agosto, foi realizada uma noite de autógrafos, no café literário.


 

      


Psicologia promove palestra com Gerente da FIRJAN

Os acadêmicos dos cursos de Psicologia e Administração receberam, no dia 4 de setembro, o gerente regional da Firjan, Luis Mário Concebida, para palestra. Sob o tema “Impactos dos novos empreendimentos na região norte-fluminense, o palestrante ofereceu informações atualizadas sobre o crescimento e desenvolvimento da região, abordandando questões como o petróleo e o Porto do Açu.


 

 



Psicologia ISECENSA com o Estrelado do Guia do Estudante

O curso de PSICOLOGIA do ISECENSA foi estrelado na
avaliação de cursos superiores realizada pelo Guia do Estudante (GE) e constará da publicação GE Profissões Vestibular 2014, que passa a circular nas bancas a partir do dia 11 de outubro de 2013.
Guia do Estudante (GE), publicado pela Editora Abril, avalia as graduações levando em consideração informações sobre o corpo docente, produção científica e instalações físicas, entre outros; e pareceres de especialistas da área de educação. A partir disso, os cursos são pontuados com estrelas.
O curso
de Psicologia recebeu 3 estrelas na avaliação do Guia do Estudante.
Por se tratar de uma pesquisa de opinião, os resultados refletem, sobretudo, a imagem que o curso tem perante a comunidade acadêmica.
 


Clínica Nômade Voz da Rua

O Curso de Psicologia do Isecensa iniciou atividades do consultório de rua para pessoas usuárias de drogas.
A abertura oficial do consultório, com a apresentação para a comunidade acadêmica e divulgação da logomarca, ocorreu em novembro de 2012.
As ações terão como foco a educação em saúde com conversas informais. Todas as ações terão como objetivo fim a sensibilização das crianças e adolescentes para que a equipe se torne uma referência para esse grupo, no que tange a sua saúde física e mental e quiçá a possibilidade de uma intervenção concreta relativa ao consumo de crack e a possível mudança de comportamento levando a interrupção do uso.
A professora supervisora Patrícia Constantino acompanhará os alunos.





  

 


O Livro Vermelho de Jung, que percorreu o mundo, agora pertence definitivamente à biblioteca do Isecensa

A exposição itinerante do Livro Vermelho de Jung chegou ao curso de Psicologia no dia 30 de maio e permaneceu até o dia 1 de junho.
Depois de ficar em exposição em diversas universidades, o livro foi sorteado. O curso de Psicologia do Isecensa foi o vencedor, conforme comunicação:

“A Rede Brasileira de Bibliotecas da Área de Psicologia, através da Coordenação, informa que esse Instituto foi o vencedor do sorteio do Livro Vermelho de Jung, realizado no VII Encontro de Bibliotecas da Área de Psicologia – ENBAP durante o XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias – SNBU”.




Exposição Itinerante “O Livro Vermelho de Jung”

O Livro Vermelho que percorreu o Mundo esteve no ISECENSA.
Trata-se de uma documentação primária que nos garante compreender a gênese da obra de Jung.  O texto levou 16 anos para ser escrito e se configura como matéria prima de estudos posteriores.
O livro está inacabado e apenas alguns próximos amigos tiveram acesso a ela. Conta com um caderno iconográfico com imagens do manuscrito original, assim como pinturas feitas pelo próprio autor.
Revela não só uma mente extraordinária em ação, mas também a mão de um artista e calígrafo talentoso.  Nela encontram-se quadros cujas influências vão desde a Europa, o Oriente Médio e o Extremo Oriente até a arte nativa do novo mundo.
O Livro Vermelho é algo único, tanto em termos de seu lugar no desenvolvimento de Jung quanto como obra de arte. 

A Obra entre Nós.
A Exposição Itinerante do Livro Vermelho chegou ao ISECENSA no dia 30 de maio e permaneceu até o dia 1 de junho. A abertura da exposição foi celebrada com uma palestra sobre a Vida e a Obra de Jung.
O palestrante Patrick Azevedo- Mestre em Cognição e Linguagem e professor de Psicologia do ISECENSA - foi ovacionado pelos participantes que lotaram o auditório da instituição.
Participaram do evento alunos do curso de Psicologia e demais cursos do ISECENSA, alunos de pós-graduação da instituição, discente de outras instituições de ensino, professores e coordenadores do ISECENSA, empresários locais e outros membros da comunidade, demonstrando a importância do autor, não só para profissionais e alunos de Psicologia, mas também para todos aqueles que se interessam pelo estudo da cultura. 
Dentre muitas de suas lições, concluímos parafraseando o mestre: “Só aquilo que somos realmente tem o poder de curar-nos” (Jung).




Alunos de Psicologia do ISECENSA discutem o universo prisional no Complexo de Bangu - Rio de Janeiro

No dia 14 de maio de 2012, um grupo de 10 estagiários de Psicologia Jurídica do ISECENSA estiveram no Sistema Penitenciário do Complexo de Bangu, sob supervisão e orientação da professora Patrícia Constantino. A visita técnica aconteceu nos presídios Oscar Stenvenson (unidade feminina) e Plácido de Sá Carvalho (unidade masculina). A proposta foi desenvolver uma atividade sobre Resiliência com os internos. Após a palestra, uma roda de discussão foi formada: 50 internos, alunos e  professora. Foram discutidas questões relacionadas à vida prisional, consequências do enclausuramento, estratégias de superação e o papel da psicologia nesse contexto. Após a atividade os alunos puderam ouvir da psicóloga da instituição o papel da Psicologia no universo da prisão. Indiscutivelmente essa experiência marcou a formação dos alunos.
 
“Foi uma experiência de grande importância para aprendizagem do grupo. Particularmente senti meu horizonte se ampliar a partir dessas visitas e muito me motivei para a prática psi nos presídios (...) quanto à experiência pessoal, que melhor posso relatar, penso que esta tenha sido ímpar. Isso no sentido de vislumbrar uma prática que antes só podíamos ler sobre e ouvir falar. Tudo isso foi um “divisor de águas” na minha formação. É de fundamental importância repensar o sistema penitenciário e as implicações do enclausuramento (...) ouvir desses sujeitos às questões que vão de encontro da Psicologia é encontrar cara a cara com a demanda e rever os paradigmas de como dar conta dela.” (Eduardo Amaral, aluno do 8º período do curso de Psicologia)


Curso de Psicologia na  6 ª Mostra  Regional de Psicologia -  Compartilhando Experiências e Fortalecendo a Psicologia

Em plenas férias escolares, no período de 24 a 27 de Julho de 2012, um grupo de 20 alunos de Psicologia participou da Mostra Regional de Práticas Psicológicas no Rio de Janeiro. O evento é um espaço democrático de encontros, debates e troca de experiências, organizado pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro (CRP-RJ). A programação incluiu palestras, oficinas, roda de conversa, atividades culturais e lançamentos de livros. Duas monografias de estudantes do curso de Psicologia foram apresentadas na mostra além de um trabalho coordenado pela professora Patricia Constantino intitulado: O Impacto da atuação do SPA no Território: Uma análise das intervenções dos Estágios de Psicologia do ISECENSA – Campos dos Goytacazes.  O curso de Psicologia do ISECENSA investe na formação do corpo discente incentivando a participação dos alunos nos principais eventos da área.


Alunos de Psicologia do ISECENSA em Salvador: atividade com crianças e adolescentes usuárias de Crack

No período de 28 de agosto a 1 de setembro de 2012, 6 alunos de Psicologia vinculados ao Estágio de Saúde Coletiva, acompanhados pela coordenadora de SPA Patricia Constantino e do professor Hans Muylert,  viajaram para Salvador. O objetivo da visita técnica foi acompanhar as atividades do Consultório de Rua do CETAD- Centro Estudos e Terapia do Abuso de Drogas- da Universidade Federal da Bahia. O Consultório de Rua é pioneiro nas ações destinadas a crianças e adolescentes usuárias de crack e que estão em situação de rua. Durante os cinco dias na Bahia o grupo pode conhecer de perto as atividades desenvolvidas na própria cena de uso de drogas e discutir com a equipe a metodologia de trabalho com esse público-alvo. Tal atividade visa replicar tais ações em território campista.  Mais uma atividade acadêmica que demonstra o compromisso do curso de Psicologia com os problemas sociais contemporâneos.


 Conheça o PROJETO "MELHOR MULHER" (clique aqui)

 


 

 AULA MAGNA 2011.2

Iniciando o semestre, o curso de Psicologia teve sua aula magna, com o tema "Influência da auto-estima na saúde mental dos policiais", ministrada pelo prof. Doutor Edson Ribeiro de Andrade.

 


No Brasil, como em outros países, percebe-se que as forças de Segurança Pública não se apóiam exclusivamente em tecnologias de ação e organização corporativa. Seu sustentáculo se dá também, e principalmente, a partir da saúde física e mental dos seus agentes. As conseqüências de não se considerar os aspectos geradores de sofrimento psíquico, podem gerar um grupo de profissionais emocionalmente comprometidos e com pouca possibilidade de ação contra as forças do crime.


 

O objetivo desse estudo é investigar a auto-estima como dispositivo para a saúde mental dos trabalhadores policiais. Buscou-se entender como se dá o processo saúde-doença dos policiais, procurando discutir alternativas de intervenção que levem em conta a auto-estima como fator predisponente para minimizar o sofrimento psíquico desses trabalhadores. Essa tese está organizada a partir de três artigos e de um significativo diálogo com a literatura.

 

Diante disso, a auto-estima pode ser influenciada e influenciar a cultura organizacional da Polícia, atuando como um dispositivo de mudanças. Para fazer frente a esta cultura de violência, propõe-se que os currículos das Academias de Polícia possam incluir uma perspectiva de educação para direitos humanos, buscando desenvolver, em cada policial, uma postura cidadã, instrumentalizando-o com estratégias para o enfrentamento do estresse e do sofrimento psíquico, pautadas na auto-estima.

 

Conclui-se também que, a profissão policial pode levar seus trabalhadores a uma espécie de ‘insalubridade emocional’ que exige instâncias de suporte emocional, para que estes indivíduos não adoeçam  ou  por extrapolarem sua autoridade, não sejam promotores de adoecimento e morte da população a quem teriam o dever de cuidar. O estudo aponta, ainda, para a urgência de gestores e pesquisadores promoverem intervenções que objetivem a saúde mental, sob pena do comprometimento da Segurança Pública.


PROJETO SÓCIO-ACADÊMICO – 2011

“UM POR TODOS, TODOS POR TOCOS” (Clique aqui!)

 


 

Alunos de Psicologia do Isecensa no Congresso em Salvador

Os alunos do 10º período do curso de Psicologia do ISECENSA participaram do  Congresso Norte-Nordeste de Psicologia (CONPSI) realizado em Salvador.
O evento aconteceu no período de 11 a 14 de maio de 2011. Seis alunos e a professora Patricia Constantino foram apresentar o estudo Análise do Sofrimento Psíquico e auto-estima de crianças e adolescentes de uma comunidade de Campos dos Goytacazes.
A participação dos alunos contou com o apoio da instituição que viabilizou a inscrição dos mesmos no Congresso. Esse trabalho é fruto do programa de Iniciação Científica do ISECENSA e está inserido no campo de atuação da Psicologia Social-Comunitária.
O evento contou com psicólogos, pesquisadores, docentes e alunos de Psicologia de todas as regiões do país, no intuito compartilhar conhecimentos acadêmicos e profissionais, discutir políticas para a área e promover o avanço da Psicologia no Brasil.
A atividade, além do impacto na vida acadêmica dos mesmos, agregou capital cultural na bagagem dos discentes e da docente.




ISECINE 2011

Projeto de discussão interdisciplinar:
Psicologia e áreas afins pela tela do cinema

Atividade: Exibição de filmes seguidos de debate
Local: ISECENSA
Participantes: Alunos da graduação professores e profissionais convidados
Finalidade:
Discutir temas atuais de forma dinâmica
Professores responsáveis: Professora Mestre Denise Ribeiro Barreto Mello e Professor Doutor Paulo Artur Buchvitz.

O ISE CINE é um projeto que visa promover discussões a partir da exibição de filmes. Seguindo na mesma vertente de 2011, este ano a proposta é continuar abordando alguns temas interdisciplinares de relevância acadêmica e social.

 

Neste sentido, o tema escolhido foi saúde mental, uma vez que realizamos a sessão no dia da luta anti-manicomial.

Não podemos deixar de ressaltar a responsabilidade social desse projeto, pois o aluno adquire o ingresso da sessão através da doação de um quilo de alimento. Nesta seção em especial, recolhemos também alguns donativos de higiene pessoal para doar, juntamente com os alimentos, para o Hospital Abrigo João Viana. Para tanto, os alunos do 5º período realizaram uma pesquisa com os profissionais do hospital para saber o que era mais urgente e necessário para os pacientes. A doação foi realizada com a presença de pacientes e profissionais do hospital e alunos acompanhados pelo professor responsável pelo projeto do ISECENSA, professora Denise Mello.

1ª SESSÃO de 2011
Em cartaz: Estamira
Data: 18 de maio de 2011.
Mediadores: Professora Denise Mello, Professor Jose Alexandre, Professora Patrícia Constantino e Professor Roberto Carvalho Alves Filho.



















Participação no III Congresso Brasileiro de Psicologia - Ciência e Profissão (clique aqui)

III Jornada de Iniciação Científica de Psicologia


III Jornada Científica de Psicologia aconteceu nos dias 26 e 27 de Agosto em comemoração ao Dia do Psicólogo, no Teatro Nobre, com o tema “O Dia do Psicólogo na Clínica da Comunidade e na Análise do Corpo e Subjetividade”. Foram dois dias em que coordenação, professores e alunos do curso de psicologia estiveram juntos num evento que conjugou conhecimento, entrosamento e crescimento acadêmico.
No primeiro dia, tivemos uma solenidade de abertura que contou com o Hino do ISECENSA e por palavras da coordenação em torno da importância da psicologia para uma sociedade mais saudável. A seguir, uma mesa redonda abordou a pertinência da Psicologia Clínica para além do contexto dos consultórios. Sob a coordenação da Professora Doutora Patrícia Constantino e pela Professora Mestre Denise Ribeiro Barreto Mello, sobre o tema “Abordagem Clínica no Contexto Comunitário: Perspectiva Integrada”, a mesa contou com a participação efetiva dos alunos Carolina Reis de Almeida, Luciana Eccard Rodrigues e Ricardo Ferreira Avelino do Estágio Específico Supervisionado em Psicologia Social Comunitária e Ana Carolina Cassiano Dias Ávila, Denise Cardoso Alves da Silva e Tiago Tavares de Castro Fernandes do Estágio Específico Supervisionado em Clínica Psicanalítica.
No segundo dia, a Jornada contou com a presença do Professor Doutor Francisco Romão Ferreira, que apresentou o tema “Análise do Corpo e Subjetividade”. As imagens apresentadas pelo palestrante associadas a sua explanação demonstraram o quanto os processos de subjetivação na liquidez do mundo pós-moderno colocam o corpo em exposição como vitrine dos aspectos subjetivos.
Em ambos os dias, com a colaboração da coordenadora de arte e cultura Beth Rocha, o grupo musical da psicologia “Banda Freud Metal” deu um colorido especial apresentando músicas vibrantes que empolgou todo o público presente. Aproveitamos a ocasião para homenagear o Professor Germano Quintanilha, baterista da Banda, pela sua dedicação ao curso de psicologia.
A III Jornada Científica de Psicologia foi uma experiência de muita relevância para a psicologia em nossa cidade. Contamos com a presença de psicólogos, de estudantes de graduação e de pós-graduação, enfim de um amplo público da área que juntos celebraram esta ciência e profissão de grande relevância social.


 
Professor Paulo Arthur, coordenador do o curso de psicologia, iniciando a solenidade de abertura.

 
Banda Freud Metal.

 
Professora Patrícia Constantino e Professora Denise Mello apresentando a mesa redonda.

  
Alunos do SPA do curso de psicologia apresentando mesa redonda.


Coordenadores, professores e alunos curso de psicologia.

  
Homenagem ao prof. Germano / Prof. Edson Andrade, coordenador de psicologia social e a psicóloga Aline.

  
Alunos do curso de Psicologia cantando o Hino do ISECENSA / Profa. Beth Rocha, coordenadora de Arte e Cultura e Prof. Paulo Arthur, coordenador de do curso de psicologia.

  
Novos alunos do curso de psicologia / Prof. Edson Andrade, coordenador de Psicologia Social e Profa. Denise Mello, coordenadora de psicologia clínica.

 
Alunos do 2º período (Fidelis, Vanuzia, e Ellen) cantando junto com a Banda Freud Metal, com a participação da professora Denise Mello.

  
Alunos do 8º período do curso de psicologia.

    
Alunos do 6º período do curso de psicologia / Alunos do 9º período do curso de psicologia.

 
Alunos do 4º período do curso de psicologia / Alunos do 5º período do curso de psicologia.

  
Alunos do 2º período do curso de psicologia / Alunos do 7º período do curso de psicologia.

 

 

 

 

 

 


 

II Jornada de Iniciação Científica de Psicologia


O ISECENSA promoveu a II JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DE PSICOLOGIA, nos dias 27, 28 e 29 de agosto, com o tema “Psicologia & Práticas Profissionais: o dia do psicólogo na clínica, no fórum e em recursos humanos”. Presença das psicólogias Suéllen Pessanha Buchaúl, que proferiu a palestra “A Clínica da Psicose: Uma Análise Lacaniana”; Patrícia Constantino, que desenvolveu o tema “A Atuação do Psicólogo em Psicologia Jurídica”, e Terezinha Bianchi dos Guaranys, que discorreu sobre “O Lugar do Psicólogo em Recursos Humanos”.

Confira outras fotos na Galeria ao final desta página.


Eventos Sociais do Curso de Psicologia


Projeto Ética e Responsabilidade Social

Esse trabalho foi desenvolvido pelos alunos de Psicologia visando sensibilizar o aluno para uma atuação além da clínica, oportunizando ao aluno o contato com a desigualdade social, promovendo, assim, ações de cidadania. Foram divididos os alunos em três grupos de 18 participantes. O trabalho foi coordenado pelo Professor Doutor Paulo Arthur Buchvitz e executado pelo Professor Mestre Edson Ribeiro de Andrade.

Campo de atuação 1:

Atuou-se junto a 40 crianças a Comunidade Baleeira, apresentando um teatro sobre sexualidade infantil; integração social através gincanas e jogos lúdicos e entrega de brinquedos. 


    


Campo de atuação 2:

Atuou-se junto a 48 crianças da Comunidade Tira-gosto, fazendo profilaxia bucal, com animadores culturais e distribuição de brinquedos e kits de higiene bucal. 

    

 

Campo de atuação 3:
Atuou-se junto a 50 detentos do presídio C. Tinoco, dando palestra sobre auto-estima, com apresentação musicais e entrega de kits de material higiênico.